Greve na Educação: o que esperar das manifestações desta 4ª - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Greve na Educação: o que esperar das manifestações desta 4ª
Em 15/05/2019

Greve na Educação: o que esperar das manifestações desta 4ª

Em oposição à reforma da Previdência e aos cortes anunciados na Educação, população vai às ruas do País na quarta-feira 15

Esta quarta-feira 15 deve receber a maior mobilização popular dos primeiros cinco meses do governo Bolsonaro. No Dia Nacional em Defesa da Educação, reações contrárias à reforma da Previdência e aos cortes anunciados para os institutos e universidades federais devem levar milhares para as ruas do País e conflagrar uma greve nacional dos trabalhadores em Educação.

O ato unificado, convocado pelas maiores entidades estudantis e sindicais do País, como a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), deve receber a participação de diversos setores da sociedade, como professores, estudantes e trabalhadores em geral, e já tem desdobramentos em vários estados e capitais pelo País.

Em nota, a UNE declarou que “o governo usa o corte no setor como moeda de troca para aprovar a reforma da Previdência, assim como transformou o MEC em uma verdadeira máquina ideológica de perseguição”.  A entidade afirma que esse é o momento com mais ataques à Educação na história da recente democracia brasileira.

PUBLICIDADE

Em São Paulo, a mobilização vai acontecer a partir das 14 horas no Masp, na Avenida Paulista. O Conselho de Reitores de Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp), que reúne os reitores da USP, Unicamp e Unesp, soltou uma nota convocando a comunidade acadêmica a debater as questões relativas à ciência e tecnologia no Brasil. As três instituições estão na mira da CPI das Universidades Públicas, criada na Assembleia Legislativa de São Paulo sob o pretexto de investigar possíveis gastos excessivos pelas instituições, além de um possível “aparelhamento de esquerda”.

“As universidades públicas estaduais paulistas (USP, Unicamp e Unesp) integram o sistema público de universidades brasileiras, respondem por mais de 35% da produção científica nacional e são responsáveis por 35% dos programas de pós-graduação de excelência no País. Interromper o fluxo de recursos para estas instituições constitui um equívoco estratégico que impedirá o País de enfrentar e resolver os grandes desafios sociais e econômicos do Brasil”, declarou o Cruesp em nota.

Também estão confirmadas no ato em São Paulo a Universidade Federal de São Paulo, a Universidade Federal do ABC e a Universidade Federal de São Carlos. Escolas particulares também sinalizaram adesão à paralisação, caso da escola Nossa Senhora da Graça (Gracinha), Politeia Escola Democrática, Colégio Equipe, Colégio Oswald de Andrade, entre outras. No Oswald de Andrade, estudantes enviaram uma carta à direção e aos pais sinalizando o interesse de participar da manifestação. A unidade cancelou excursões marcadas para a data.

No Rio de Janeiro, estão confirmadas a Universidade Federal Fluminense, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Somam à lista escolas particulares como Colégio Andrews, Escola Parque e Colégio Santo Agostinho Leblon, entre outras.

Também marcam presença na paralisação a Universidade de Brasília (UNB) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA) que, juntamente com a UFF, no Rio de Janeiro, foram acusadas pelo ministro Abraham Weintraub de não terem bons rendimentos educacionais, além de promoverem “balbúrdia”.

Esse foi o critério utilizado por Weintraub para justificar um corte orçamentário que, inicialmente, recairia apenas sobre essas instituições. Após mal estar generalizado, o MEC resolveu estender o corte a todos os institutos e universidades federais.

Uma lista divulgada pela UNE reúne as principais manifestações pelo País.

RIO GRANDE DO SUL

-Porto Alegre, FACED-UFRGS, 18h

– Caxias do Sul, Praça Danti Alighieri, 17h30

-Viamão, Centro de Viamão, 16h

SANTA CATARINA

-Florianópolis, Praça Central, 15h

-Chapecó, Praça Coronel Bertaso, 9h30

-Araranguá, saída da UFSC e do IFSC às 9h em direção ao centro da cidade

-Blumenau, em frente ao Carlos Gomes, 14h30

PARANÁ

-Curitiba, Praça Santos Andrade, 9h

-Cascavel, em frente à Catedral, 9h

-Londrina, calçadão de Londrina, 10h

-Guarapuava, praça 9 de dezembro, 9h

-Irati, esquina do supermercado GCenter, 9h

SÃO PAULO

-São Paulo, MASP, 14h;

-Sorocaba, Praça Cel Fernando Prestes, 9h

-São Carlos, Praça Coronel Salles, 9h

-Ribeirão Preto, Av. do Café e marcha até a Esplanada do Teatro Pedro II, 7h.

-Bauru, Câmara municipal, 9h

-Campinas, Largo do Rosário, 10h30

MINAS GERAIS

-Juiz de Fora, Parque Halfeld, 16h

-Diamantina, Largo Dom João, 15h

-Belo Horizonte, Praça da Estação, 9h30

-Araçuaí, Concentração na IFNMG, 7h

-Montes Claros, Praça do Automóvel Clube, 16h

-Itajuba, Praça central, 18h

-Frutal, calçada JB2, Centro 15h

– Lavras, Praça dos Bancos, 10h

-Mariana, ICSA da UFOP, 15h

RIO DE JANEIRO

-Rio de Janeiro, Candelária, 15h

DISTRITO FEDERAL

-Brasília, Museu da República, 10h

GOIÁS

-Goiânia, Praça Universitária,14h

AMAPÁ

-Macapá, Praça da Bandeira, 15h

AMAZONAS

-Manaus, Entrada da UFAM, 7h

-Manaus, Centro de Manaus, 15h

MARANHÃO

-São Luis, Vivência da UFMA, 11h30

CEARÁ

-Fortaleza, Praça da Bandeira, 8h

-Assaré, Praça do Mercado Público, 17h

BAHIA

-Salvador, Campo Grande, 9h

-Camaçari, ao lado da Prefeitura, 8h30

PERNAMBUCO

-Recife, em frente ao GP da Aurora, 15h

-Pesqueira, em frente à casa São Francisco, 9h30

– Garanhuns, praça da fonte luminosa, 8h

MATO GROSSO

-Cuiabá, Praça Alencastro, 14h

MATO GROSSO DO SUL

-Campo Grande, Gramado do Pontilhão em frente a UFMS, 9h

-Dourados, Praça Antonio João, 8h

PARÁ

-Belém, Praça da República, 8h

-Oriximiná, saída da UFOPA, 8h30

-Santarém, Praça da Matriz, 16h

-Alenquer, saída da UFOPA, 16h

-Óbidos, saída da UFOPA, 16:30

SERGIPE

Aracajú, centro da cidade, 14h

ESPIRITO SANTO

-Nova Venécia, campos IFES, 15h

-Vitória, UFES Goiabeira e Maruipe, 15h

TOCANTINS

-Palmas, portão da UFT, 6h; Assembléia Legislativa 9h

RIO GRANDE DO NORTE

-Natal, em frente ao IFRN, 15h

RONDÔNIA

-Porto Velho, INIR centro, 15h

ACRE

-Rio Branco, UFAC, 7h

PIAUÍ

Teresina, em frente ao INSS, 8h

PARAÍBA

João Pessoa, em frente ao Liceu Paraibano, 9h

ALAGOAS

-Maceió, CEPA, 9h

Fonte: Carta Capital


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo