Observatório da Democracia nasce para dar munição para a oposição - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Observatório da Democracia nasce para dar munição para a oposição
Em 07/02/2019

Observatório da Democracia nasce para dar munição para a oposição

Os seis partidos progressistas vão monitorar e produzir material científico sobre as pautas governistas

Na sexta 1, que foi marcada pela posse do Legislativo que atuará até 2022, seis siglas de partidos do campo progressista se reuniram em Brasília para o lançamento do Observatório da Democracia, iniciativa das fundações Perseu Abramo (PT), Lauro Campos (PSOL), Maurício Grabois (PCdoB), Leonel Brizola – Alberto Pasqualini (PDT), João Mangabeira (PSB) e Ordem Social (PROS).

O Observatório nasce com o objetivo de monitorar o governo de Jair Bolsonaro (PSL). Ele deve produzir material científico sobre as decisões e pautas arquitetadas pelo Executivo, com a premissa de defesa dos Direitos Humanos, da constituição e da soberania nacional.

A iniciativa deve produzir relatórios mensais de quatro eixos temáticos: Soberania; Infraestruturas; Produção e Inovação; e Dimensões Sociais e Ambientais. A ideia é que o material sirva de subsídio para a atuação dos parlamentares dos partidos.

Em entrevista à CartaCapital, a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) disse que “a contribuição política e programática de entidades e fundações é fundamental para que a oposição consiga evitar o avanço da agenda do governo Bolsonaro”.

Furar a bolha

O presidente da Fundação Perseu Abramo, Marcio Pochmann, admite que o material corre o risco de ficar restrito à bolha intelectual da esquerda e, justamente por isso defende, em uma segunda fase, a aproximação com organizações da sociedade civil, “das corporativas às entidades de movimentos sociais e das universidades”.

A socióloga Sabrina Fernandes elogia a iniciativa, mas mostra preocupação de que ela se limite a “um bate-e-volta entre partido e fundação”. Fernandes defende a necessidade de pensar em táticas de comunicação “que não fiquem simplesmente nos formatos já maçantes da esquerda, que não atrai grande parte da população”.

A socióloga, que também é youtuber do canal Tese Onze, ressalta a necessidade de que o material produzido não deixe de focar naqueles “que estão sendo capturados por um anti-esquerdismo ou anti-petismo”.

Para isso, Fernandes considera crucial que os envolvidos atinjam logo a segunda fase explicada por Pochmann, de envolvimento da sociedade civil e dos movimentos e base.

Fonte: Carta Capital


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo