Banco público: essencial para o crescimento - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Banco público: essencial para o crescimento
Em 01/10/2018

Banco público: essencial para o crescimento

Banco público: essencial para o crescimento

Lucrativos, sólidos e essenciais para o desenvolvimento nacional, os bancos públicos têm sido alvo de duros ataques. O objetivo real é sucatear para justificar futuras privatizações. Ao contrário do que tenta vender o governo neoliberal, as instituições não dão prejuízo. Lucraram R$ 37,3 bilhões no primeiro semestre de 2018.

Os dividendos dos bancos públicos vão repassar à União chegam a cerca de R$ 5,7 bilhões. A cifra cresce quando se analisa o período de 2002 a 2016 e soma R$ 285 bilhões. 

Se privatizados, os públicos, como Banco do Brasil, BNB e Caixa, vão causar um enorme prejuízo ao país. Em termos sociais e econômicos. Diversas cidades do país correm o risco de não ter mais nenhuma agência bancária. 

Na região Norte, por exemplo, 63,3% das unidades são dos bancos federais. No Nordeste, o percentual é de 59,3%. Somente no Sudeste há um número maior de unidades dos privados. Ou seja, sem os públicos, haveria escassez de crédito nas demais regiões do Brasil, que causariam problemas para o financiamento imobiliário, crédito agrícola e desenvolvimento econômico. 

Segundo o Banco Central, 87% das operações de crédito realizadas na região Nordeste são de bancos públicos. Na Região Norte, o índice ainda é maior, de 91,8%, no Centro-Oeste, é de 94,5% e no Sul, 84%. Apenas no Sudeste, o patamar é menor, de 36%. 

A importância das estatais para o país é indiscutível. Para exemplificar, no caso agrícola, a taxa cobrada pelos bancos públicos é de cerca de 5% ao ano. No mercado financeiro privado, pulariam para 70%. Ou seja, os alimentados chegaram mais caros à mesa do povo. 

Os números foram apresentados na audiência pública, realizada nesta sexta-feira (28/09), sobre a privatização das empresas estatais, convocada pelo ministro Ricardo Lewandowski antes de tomar a decisão sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5624. 

 Fonte: SBBA


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo