Sobrecarga e assédio moral causam insatisfação - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Sobrecarga e assédio moral causam insatisfação
Em 01/10/2018

Sobrecarga e assédio moral causam insatisfação

Sobrecarga e assédio moral causam insatisfação

Os dados sobre sobrecarga de trabalho e assédio moral da Pesquisa Saúde do Trabalhador da Caixa são alarmantes. Dos dois mil empregados entrevistados, 58% se sentem sobrecarregados. Os principais motivos de insatisfação são falta de pessoal (16,3%) e cobrança excessiva por metas (16%).

Outro fator relevante levantado pelos trabalhadores da instituição é que o local de trabalho interfere na sobrecarga. Foram 66,2% empregados que atuam em agências afirmando estar sobrecarregados e 41,2% que trabalham em áreas meio. Para piorar, aproximadamente 15% dos funcionários fazem horas extras com frequência, sendo que a ocorrência é maior entre os mais jovens e os que trabalham em agências.

Quando questionados sobre demanda excessiva por trabalho, pressão, atribuição indevida de erros, ameaças, gritos, entre outras, 53,6% dos empregados disseram ter passado por ao menos uma destas situações. Para 81,3% dos entrevistados, os casos também acontecem com outros colegas.

O assédio moral assusta, mas a negligência da Caixa é ainda mais evidente. Apesar de 86,5% avaliarem como boa a relação com os chefes imediatos, 27,2% reclamam de pressão excessiva por metas.  Apenas em 3,1% dos casos, os episódios foram registrados junto ao departamento de Recursos Humanos.

O estudo apontou que cerca de 6% dos empregados tiveram conhecimento de situações de assédio sexual. Na região Centro-Oeste, 10,7% dos empregados tiveram conhecimento desse tipo de violência no banco, no Nordeste (6,8%), Sudeste (5,4%), Norte (3,5%) e Sul (3,2%).

Dos empregados analisados, 46,9% tiveram conhecimento de algum episódio de suicídio na Caixa e mais da metade (51,7%) conhece algum funcionário que passou por sofrimento contínuo em virtude do trabalho.(SBBA)


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo