A Contribuição Negocial é fundamental - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » A Contribuição Negocial é fundamental
Em 10/09/2018

A Contribuição Negocial é fundamental

A Contribuição Negocial é fundamental

A proposta aprovada em assembleias por todo o país, prevê, além de avanços, como a manutenção da Convenção Coletiva de Trabalho, a contribuição negocial de 1,5% sobre o salário e PLR dos trabalhadores, com teto de R$ 210,00. O percentual é menor do que a soma da contribuição sindical obrigatória (que era de 3,33% ou um dia de trabalho descontado em março, sem teto) e do desconto assistencial.

 Além disso, a contribuição negocial só será cobrada após a celebração da Convenção Coletiva de Trabalho e dos Acordos Coletivos Aditivos. Noutras palavras, como a convenção é válida por dois anos, em 2019, naturalmente não haverá nenhuma contribuição após o reajuste e respectiva PLR. Assim, a contribuição negocial 2018 foi trocada pela contribuição sindical 2019/2020 e substitui o desconto assistencial (cobrado após a assinatura da Convenção Coletiva).

 A contribuição negocial se faz necessária para substituir a perda da contribuição sindical obrigatória que garantia a manutenção da estrutura sindical: sindicato (60%), federação (15%), confederação (5%), central sindical (10%) e FAT (10%).

 Com o fim da contribuição sindical obrigatória, a Federação dos Bancários da Bahia e Sergipe perdeu em 2018, 83% da sua arrecadação anual. As entidades sindicais servem a luta da categoria e pelos trabalhadores devem ser mantidas.

 Mesmo com cenários desfavorável, a força da nossa luta rendeu um acordo bianual. A força nas mesas de negociação dos sindicatos, federações e confederação resultou nas conquistas da categoria.

 Prova de que só a mobilização surte efeito é que os bancários conquistaram um acordo que prevê aumento real superior aos obtidos por outras categorias no semestre. A média em sete meses foi de 0,97%, enquanto que o conquistado pela categoria será de 1,18% e a manutenção de todos os direitos previstos na CCT.

 Com o fim da obrigatoriedade do imposto sindical, mais um dos prejuízos da reforma trabalhista, os patrões, que contribuíram para o golpe, tentaram enfraquecer o movimento sindical. A intenção foi clara. Reduzir os direitos cada vez mais. 

 *Da redação com SBBA


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo