Teses e Polêmicas - Porque a Força Sindical foi a favor do golpe e do governo Temer - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Teses e Polêmicas - Porque a Força Sindical foi a favor do golpe e do governo Temer
Em 16/08/2018

Teses e Polêmicas - Porque a Força Sindical foi a favor do golpe e do governo Temer

Teses e Polêmicas - Porque a Força Sindical foi a favor do golpe e do governo Temer

A Força Sindical é uma criação dos escritórios da FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Os patrões agruparam antigos pelegos da ditadura militar para criar uma pseudo central sindical em oposição ao renascente movimento sindical autentico e classista dos anos 80, produto de uma enorme mobilização operária e que cresceu conquistando vitórias das oposições sindicais contra o peleguismo ligado aos patrões e à ditadura militar.

 Desde o começo esteve sob a direção da máfia que controla o Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, que não passou por nenhum processo de renovação e contou até com intervenção do Ministério do Trabalho da ditadura militar, para impedir a vitória da combativa oposição sindical metalúrgica (MOMSP) que dirigiu várias lutas importantes da categoria, há vários anos essa “central” é comandada pelo deputado golpista “Paulinho da Força” (também presidente do partido Solidariedade), aliado de Eduardo Cunha, Aécio Neves e Michel Temer e está totalmente a serviço dos interesses da direita e do ataque dos golpistas aos trabalhadores.

 Isso ficou evidente durante a campanha a favor do impeachment, quando seu principal dirigente, que é também deputado federal, votou pela aprovação da derrubada da presidenta eleita e fez campanha pelo golpe ao lado de Eduardo Cunha (PMDB), Aécio Neves (PSDB) e outros.

 Quem não se lembra, em 2016, dos militantes da Força Sindical a gritar: “Eduardo Cunha, guerreiro do povo brasileiro”.

 A Força Sindical, juntamente com a escória direitista que toma conta do País, é responsável direta pelos ataques promovidos contra a população pelo governo Temer, como a PEC 95 (congelou por até 20 anos os investimentos públicos nas áreas sociais: saúde, educação, segurança, transporte), a terceirização, a Reforma Trabalhista e a Reforma da Previdência.

 Não é à toa que Paulo Pereira, presidente da Força Sindical, é candidato a deputado federal pelo Solidariedade de São Paulo, em coligação com o PSDB de Geraldo Alckmin.

Fonte: Acervo das causas operárias


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo