Pimentel e Dilma contra Anastasia e Aécio: Minas reedita 2014 - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Pimentel e Dilma contra Anastasia e Aécio: Minas reedita 2014
Em 09/07/2018

Pimentel e Dilma contra Anastasia e Aécio: Minas reedita 2014

Pedro França/Agência Senado
Dilma e Aécio no Congresso Nacional

Dilma já anunciou sua candidatura ao Senado; Aécio não disse nem sim, nem não

“Sempre que eu pergunto ao Bias Fortes (político mineiro) se ele estará em Barbacena no fim de semana (sua cidade natal) e ele me diz que sim, eu sei que ele não vai estar. Mas às vezes eu vou, porque às vezes ele está”. Esse conto mineiro é atribuído a Tancredo Neves, e simboliza um pouco como funciona a política local, onde os acordos são selados após intensas conversas, mas não sem boa dose de desconfiança. 

Na disputa deste ano, não faltam conversas de bastidores e dúvidas sobre o impacto da reedição de velhas rivalidades postas à prova em 2014. 

A campanha estadual começou a ganhar contornos importantes quando surgiu a possibilidade da ex-presidenta Dilma Rousseff ser candidata ao Senado pelo estado, o que se confirmou agora em junho.

Um dos possíveis adversários de Dilma será, novamente, Aécio Neves (PSDB), derrotado por ela nas eleições presidenciais em 2014. Mesmo que não disputem o mesmo cargo, Dilma e Aécio influenciarão diretamente uma corrida estadual nacionalizada, capaz de reeditar a polarização entre PT e PSDB no segundo maior colégio eleitoral do País. 

Para o governo, despontam os nomes do senador e ex-governador Antonio Anastasia (PSDB) – relator do processo de impeachment de Dilma - e do atual governador Fernando Pimentel, que cultiva sua velha proximidade com a ex-presidenta. 

A nacionalização da campanha transformará as eleições, segundo o cientista político Felipe Nunes, em uma disputa plebiscitaria. “Será binário, os azuis contras os vermelhos. Dilma é o símbolo mais forte de Pimentel de que ele é da turma do Lula, e na campanha ele tentará colar a imagem de Anastasia como aquele da turma do Temer.”

Em 2014, a vitória de Pimentel ao governo modificou o comportamento dos eleitores nas últimas eleições. Antes, os mineiros agradavam a todos: a maioria costumava votar nos tucanos regionalmente e nos petistas para o cargo nacional.

Os desafios para a reeleição de Pimentel não serão poucos. Além de rivalizar com o aecismo, abalado pela acusação contra o senador por corrupção e obstrução de justiça, o atual governador terá de reformar a imagem de seu governo, desgastado pela falta de recursos e investimentos, que inclui desde o corte de verbas em programas importantes, como na área da saúde, até o atraso nos salários dos servidores públicos.

Interlocutores reafirmam que a crise no estado será a grande pedra no sapato do governo. Rogério Correia, deputado estadual pelo PT e primeiro-secretário da Assembleia, afirma que o contra-argumento para a acusação de má gestão são “os efeitos do golpe em Minas”, e nesse sentido, a figura de Dilma será um recurso importante na disputa da narrativa.

Leia mais:
PCC, 'presente' de São Paulo para Minas Gerais

Do outro lado, Anastasia esforça-se para se liberar da imagem de Aécio sem deixar de lado o capital político herdado do padrinho. Aécio ainda não sinalizou se sairá candidato à reeleição ao senado ou para a Câmra, ou se atuará nos bastidores. A exposição de Aécio pode criar dificuldades para sua defesa no Supremo Tribunal Federal.

A pesquisa feita pelo Instituto Paraná em maio aponta Dilma na dianteira, com 24,4% das intenções de voto, contra os 21,1% do tucano. Este ano estão abertas duas vagas para o Senado em Minas. Uma pelo próprio Aécio, cujo mandato termina em 1º de fevereiro, e a outra deixada por Zezé Perella (PSDB), que já desistiu de tentar a reeleição.

Além de Dilma, o governo ainda define se apoiará a candidatura da deputada-federal João Moraes, do PCdoB, também cortejada pelo PSB, ou se irá negociar com algum nome de centro.

 PSB

Outro pré-candidato ao governo mineiro é Márcio Lacerda (PSB), ex-prefeito e um nome capaz de embolar ainda mais o jogo.  Lacerda anunciou nesta semana o apoio do PROS e do PTD a sua a candidatura, mas não descartou, contudo, assumir como vice de Ciro Gomes (PDT) a disputa presidencial. Seu nome é cotado pelas lideranças do PSB para consolidar uma aliança com o pedetista. 

O desfecho ainda depende das negociações dos diretórios nacionais do PSB e do PT. Os petistas confiam que se forem retiradas suas candidaturas próprias em Pernambuco e na Paraíba, o PSB nacional estaria inclinado a apoiar Lula ou seu indicado. Seja como for, interlocutores afirmam que dificilmente Lacerda irá apoiar a chapa de Pimentel.

Por outro lado, fontes no PSB afirmam que a aliança com Lula é improvável. A tendência atual do partido é apoiar Ciro Gomes, e Lacerda pode ser o nome para compor a chapa com o presidenciável. 

Leia também:
Mais distante dos petistas, PSB avança em negociação com Ciro

A sombra do MDB 

A presença de Dilma na campanha levanta a poeira do MDB mineiro jogada por Pimentel para debaixo do tapete desde 2016. O governador conseguiu segurar a base emedebista no estado durante e após o processo de impeachment da ex-presidenta. Na época, os seis parlamentares da sigla no Congresso voltaram pelo afastamento de Dilma.

A relação foi publicamente rompida no início deste ano, e marcada pela abertura do processo de impeachment do governador pelo presidente da Assembleia Legislativa, Adalclever Lopes, tão logo o nome de Dilma foi posto em jogo.

Nos bastidores, a cisão teria sido provocada pela pretensão de Lopes a uma das vagas ao Senado pela chapa do governo. Outra justificativa é pressão que o vice de Pimentel, Antônio Andrade, e o próprio presidente da Assembleia estariam sofrendo do diretório nacional do MDB para abandonar o governo e apoiar o grupo tucano em Minas, liderado por Anastasia. O PSDB integrou a base do governo do presidente Michel Temer a partir de sua posse, rompendo no fim de 2017

Embora Andrade já tenha anunciado sua pré-candidatura ao Palácio dos Bandeirantes, os deputados federais emedebistas avaliam que a coligação com o PT estadual daria mais possibilidades de eleição e reeleição do que concorrerem em chapa própria, levando em conta o coeficiente eleitoral.

Caso os petistas reformem essa aliança, cria-se uma fissura de natureza essencialmente política: Pimentel e Dilma terão de fazer campanha ao lado de políticos que ajudaram a tirá-la de Brasília.

Fonte: Carta Capital


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo