O que diz o documento assinado por Kim e Trump - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » O que diz o documento assinado por Kim e Trump
Em 13/06/2018

O que diz o documento assinado por Kim e Trump

SAUL LOEB / AFP
Acordo

O texto não fornece detalhes sobre as medidas a serem adotadas

declaração conjunta assinada pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e pelo líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, nesta terca-feira 12 em Cingapura relata uma "troca de opiniões abrangente, profunda e sincera".

O texto, porém, não fornece detalhes sobre as medidas a serem adotadas, como a desnuclearização da Península Coreana, e as garantias de segurança prometidas por Washington a Pyongyang.

PUBLICIDADE

Leia também:
Donald Trump e Kim Jong-un assinam acordo de desnuclearização
Giuliani diz que Trump pagou por silêncio de atriz pornô

No documento, os dois líderes expressaram a intenção de "estabelecer novas relações EUA-RPDC (República Popular Democrática da Coreia, nome oficial do país) e construir uma paz duradoura na Península Coreana.

"O presidente Trump se comprometeu a dar garantias de segurança à RPDC e o presidente Kim Jong-un reafirmou seu comprometimento firme e inabalável com a completa desnuclearização da Península Coreana", diz a carta.

Ambos os países, prossegue o texto, "contribuirão para a paz e prosperidade na Península Coreana e no mundo, reconhecendo que a construção da confiança mútua é capaz de promover a desnuclearização".

A declaração final do encontro delineia os quatro pontos fundamentais do entendimento. Eles incluem o estabelecimento das novas relações "em concordância com o desejo de paz e prosperidade dos povos de ambos os países", além de prometer esforços conjuntos para "construir um regime de paz robusto e duradouro" na região.

No texto, Pyongyang reafirma o compromisso assumido na Declaração de Panmunjom, no dia 27 de abril, quando o país aceitou trabalhar para a desnuclearização, e se compromete a recuperar e repatriar os restos mortais de soldados americanos mortos durante a Guerra da Coreia, nos anos 1950.

Na declaração, os dois países reconhecem que o encontro foi um "evento histórico de grande significado, superando décadas de hostilidades" e sublinham o compromisso dos dois líderes em "implementar as estipulações desta declaração conjunta de modo completo e acelerado". 

Na conclusão do documento, os dois países se comprometem a "promover a paz, prosperidade e segurança na Península da Coreia e no mundo".(Carta Capital)


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo