Liminar do Supremo considera condução coercitiva ilegal - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » Liminar do Supremo considera condução coercitiva ilegal
Em 20/12/2017

Liminar do Supremo considera condução coercitiva ilegal


  
Usada de forma abusiva pelos magistrados, a condução coercitiva é frequentemente utilizada nas operações como a Lava Jato. A medida, que está prevista no Código de Processo Penal, em vigor desde 1941, determina que se um acusado não atender à intimação para o interrogatório ou qualquer outro ato, o juiz poderá mandar a polícia conduzi-lo à sua presença. No entanto, os juízes têm utilizado o recurso antes mesmo de convocar o investigado, ou seja, antes de haver uma recusa.

Foram apresentados dois questionamentos sobre o tema, um pelo PT e outro pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A alegação é que a condução coercitiva fere o direito da pessoa de não se autoincriminar.

A decisão ainda deverá ser submetida ao plenário do Supremo e analisada por outros 10 ministros, para que seja confirmada ou rejeitada. Como o recesso do Judiciário começa nesta quarta (20), o assunto só voltará à discussão na Corte a partir de fevereiro do ano que vem, quando os trabalhos são retomados.

“A condução coercitiva para interrogatório representa uma restrição da liberdade de locomoção e da presunção de não culpabilidade, para obrigar a presença em um ato ao qual o investigado não é obrigado a comparecer. Daí sua incompatibilidade com a Constituição Federal”, escreveu Gilmar Mendes na decisão.

O ministro também considerou que na condução coercitiva o investigado sofre “interferência na liberdade de locomoção” e é “claramente tratado como culpado”.

Lula

O advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin, considerou que a decisão do ministro é “correta e representa um alento ao Estado de Direito”. 

“Inegavelmente, as conduções coercitivas para investigados não têm qualquer cabimento porque significam uma indevida restrição à liberdade de locomoção e uma grave violação da presunção de inocência e por isso afrontam a Constituição Federal e diversos tratados internacionais que o Brasil assinou e se obrigou a cumprir”, afirmou Zanin.

Ele enfatizou, no entanto, que o supremo demorou para se posicionar sobre uma medida que fere o direito individual e a constituição. “A crítica que deve ser feita é a demora do posicionamento do STF sobre o tema, pois o país assistiu a inúmeras conduções coercitivas incompatíveis com o ordenamento jurídico brasileiro nos últimos tempos, autorizadas por juízes de primeiro grau com a conivência de tribunais”, lembrou o advogado, destacando que, em regra, a justificativa dos magistrados era sempre a mesma: se o juiz pode autorizar a prisão cautelar pode também autorizar medida menos gravosa, que seria a condução coercitiva.

“Nada mais absurdo, seja porque são institutos diferentes e com objetivos diversos, seja porque a condução coercitiva para investigados é incompatível com a Constituição Federal”, salientou.

Zanin lembrou que a condução coercitiva do ex-presidente Lula, em 4 de março de 2016, autorizada pela Justiça Federal de Curitiba, “foi a maior demonstração ao país de que o instituto estava sendo utilizado de forma incompatível com a Constituição”.

“Naquele momento Lula já havia atendido a diversas intimações para prestar depoimento e as perguntas formuladas naquela oportunidade foram iguais àquelas que ele já havia respondido anteriormente. O objetivo claro foi o de constranger o ex-presidente e gerar uma artificial presunção de culpa”, resgatou.

De acordo com dados do Ministério Público, só na Lava Jato já foram realizadas 222 conduções coercitivas.



Do Portal Vermelho



Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo