APLB convoca professores: 6 de julho Dia de paralisação nacional e ato público no Tribunal de Justiça - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
Home » Notícias » APLB convoca professores: 6 de julho Dia de paralisação nacional e ato público no Tribunal de Justiça
Em 06/07/2011

APLB convoca professores: 6 de julho Dia de paralisação nacional e ato público no Tribunal de Justiça

APLB convoca professores: 6 de julho Dia de paralisação nacional e ato público no Tribunal de Justiça

Estivemos no Histórico 2 de Julho, uma data importante do Brasil, exigindo dos poderes constituídos o pagamento da nossa URV.

E lembre-se que no dia 6 de julho teremos o lançamento da Jornada Nacional da CNTE, com paralisação nacional pela exigência do pagamento do Piso Salarial, e implantação do PNE e do Plano de Carreira em todo o país. E não se esqueça que essa data significa também mais uma etapa da nossa luta pelo pagamento da URV. Nesta quarta-feira, dia 6, nós da rede estadual faremos um ato público no Tribunal de Justiça da Bahia, o Sukitão, no CAB, a partir de 9 horas.

Professor Rui Oliveira - Coordenador geral da APLB-Sindicato - Secretário de Política Sindical da CNTE

A luta dos trabalhadores em educação, neste segundo semestre de 2011, tem início no próximo dia 6 de julho, por ocasião do Dia de Mobilização Nacional, quando a CNTE lançará a Jornada Nacional de Luta pelo Piso, Plano de Carreira e PNE em todo país.

Diante do descaso de muitos gestores públicos frente à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF,) que julgou a Lei do Piso integralmente constitucional, a CNTE, através de seus sindicatos filiados, reforçará a luta pela implementação da Lei 11.738 devendo-se observar o piso nacional como vencimento inicial mínimo para as carreiras de magistério (previsto para o profissional com formação Normal de nível médio) e 1/3 de hora-atividade aplicado às jornadas previamente definidas nos planos de carreira, conforme orienta a legislação federal.

Além de exigir a vinculação do Piso às Carreiras de magistério (com base no valor defendido pela Confederação – R$ 1.587,87 – e na composição da carga de trabalho prevista na Lei 11.738), a Jornada de Luta da CNTE também pautará a aprovação do Plano Nacional de Educação à luz dos encaminhamentos deliberados pela Conae 2010. Desta forma, compõem nossa pauta de reivindicação: a aplicação de 10% do PIB na educação, a constituição do sistema nacional de educação, a revisão dos parâmetros de avaliação da educação básica, a implementação do Custo Aluno Qualidade, a valorização de todos os profissionais da educação, a garantia de gestão democrática em todos os níveis e instâncias de organização educacional, dentre outras questões.

As inúmeras greves deflagradas pelos trabalhadores da educação básica pública no país, sobretudo após o dia 11 de maio (Dia de Paralisação Nacional organizado pela CNTE), têm mostrado, mais uma vez, a força e o nível de organização de nossa categoria, sobretudo em defesa dos planos de carreira – direito garantido pela Constituição Federal. Por isso, não temos dúvidas de que, se preciso for, “vamos encher o Brasil de marchas” na luta pela valorização profissional e pela educação de qualidade para todos/a os/as cidadãos/ãs.

Em seu papel de articuladora da luta nacional, neste momento, a CNTE também tem cobrado do MEC a imediata instalação da mesa de negociação para aplicação (imediata e correta) do PSPN em todos os estados e municípios.

Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo