POLÊMICA DE VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES É DISTRAÇÃO PARA AGENDA DE TRUMP - Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região
  • »
Home » Notícias » POLÊMICA DE VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES É DISTRAÇÃO PARA AGENDA DE TRUMP
Em 18/05/2017

POLÊMICA DE VAZAMENTO DE INFORMAÇÕES É DISTRAÇÃO PARA AGENDA DE TRUMP

A controvérsia sobre o vazamento de inteligência altamente confidencial pelo presidente norte-americano, Donald Trump, para a Rússia, pode ser uma grande distração das agendas domésticas e estrangeiras de Trump, disseram especialistas norte-americanos.

Por Matthew Rusling, na agência Xinhua


A controvérsia, gerada por um artigo do Washington Post, tem dominado as manchetes dos EUA nos últimos dois dias, aumentando os temores de que informações sensíveis sobre fontes e métodos de inteligência tenham sido vazadas.

O Post citou uma fonte anônima dizendo que Trump compartilhou informações sobre o grupo terrorista Islâmico (ISIS) durante uma reunião de porta fechada com o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, e outros funcionários russos na Casa Branca na semana passada.
As acusações provocaram a indignação dos democratas, que afirmam que Moscou não é um amigo de Washington, em meio a uma frieza nas relações que tem acontecido nos últimos anos.

A Casa Branca nega firmemente as acusações de que quaisquer fontes de informação ou métodos foram revelados aos russos. Em uma entrevista coletiva à imprensa na terça-feira, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, HR McMaster, disse a repórteres que a discussão com a Rússia foi "totalmente apropriada".

Mas se as acusações são verdadeiras ou falsas, especialistas dos EUA disseram que esta e outras turbulências da Casa Branca estão criando, pelo menos, a sensação de que a administração está em um estado de desordem.

E isso poderia afetar a agenda econômica, doméstica e externa de Trump no futuro, disseram os especialistas.

"Essas alegações estão destruindo todo o ímpeto que sua agenda doméstica tem, bem como a distração de sua política externa, em meio a sua próxima grande viagem ao exterior", disse à Xinhua Dan Mahaffee, vice-presidente sênior e diretor de política do Centro para o Estudo de Congresso e Presidência.

Ele estava se referindo à próxima viagem de Trump na semana que vem para o Oriente Médio, que o levará à Arábia Saudita, Israel, Palestina, Vaticano e Bélgica antes de participar da cúpula do G7 na Itália.

"Já existe uma narrativa sobre a Rússia que a Casa Branca não pode abafar, e cada dia o assunto é mais voltado à Rússia", disse Mahaffee.

Ele expressou preocupações sobre o que está acontecendo com o governo Trump.

"Em geral, não consigo entender por que a Casa Branca continua cega às preocupações do público com relação à Rússia, bem como o modo como essas crises - Rússia, Comey e sua agenda paralisada no Congresso - são, em grande parte, criadas pelo próprio presidente", disse ele.

Ele estava se referindo a demissão controversa por Trump de James Comey, diretor do Escritório Federal de Investigação (FBI). Os críticos disseram que o momento era suspeito, já que a investigação de Comey sobre os supostos vínculos de Trump com o russo acabava de aumentar.
"Se a Administração Trump quiser restaurar qualquer impulso à sua agenda, tem que haver um fim para o drama e danos auto infligidos", disse Mahaffee.

Trump foi criticado por declarações estranhas feitas no Twitter, que o deixaram em maus lençóis com os críticos e a mídia dos EUA.

Pundits disse que o presidente precisa exercer mais controle de suas emoções e se concentrar mais nitidamente em sua agenda política.

Darrell West, vice-presidente e diretor de estudos de governança da Brookings Institution, disse à Xinhua que Trump claramente "tem um apreço pelos russos e não entende que o país não é um amigo dos Estados Unidos".

"Seus pontos de vista estão longe do que acredita a maioria dos legisladores dentro de seu próprio partido. Os Estados Unidos não têm nada a ganhar com o compartilhamento de informações com a Rússia e tem muito a perder", disse ele.

"Isso é algo que poderia desestabilizar a coalizão republicana porque os principais membros do partido entendem que esse é um comportamento censurável e não é algo que eles querem ver repetido pelo presidente americano", acrescentou.

Trump defendeu fortemente sua ação, argumentando em um tweet terça-feira que ele como o presidente tem "o direito absoluto" de compartilhar certas informações com a Rússia.

McMaster salientou que Trump não sabia a fonte da inteligência compartilhada. Relatórios da mídia dos EUA revelaram que Israel, o aliado dos EUA no Oriente Médio, é a fonte da informação sobre o ISIS.

Muitas pessoas nos EUA estão preocupadas que esta controvérsia de vazamento possam levantar preocupações entre os aliados dos EUA sobre o compartilhamento de informações com os EUA no futuro.


Fonte: Xinhua via Portal Vermelho


Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo