Sindicato dos Bancários de Itabuna e Região - artigo_id:4618
Em 07/10/2014

Garantir o avanço e barrar o retrocesso

Garantir o avanço e barrar o retrocesso Reeleger Dilma Rousseff para garantir o avanço e barrar o retrocesso Como se anunciava, a disputa para a presidência da República vai ser decidida no 2º turno, depois de um duro embate travado no 1º turno do pleito. Embora tenha se procurado esconder, houve um grande enfrentamento entre dois projetos. De um lado, a grande vencedora desta primeira volta, a presidenta Dilma Rousseff, que representa o projeto da mudança, do avanço, com um novo ciclo de transformações no país; de outro lado, Aécio Neves e Marina Silva, duas candidaturas sustentadas pelo consórcio oposicionista constituído pela oligarquia financeira, a grande mídia e os partidos conservadores e reacionários. Além de acirrado, foi um primeiro turno singularmente marcado por reviravoltas. No início, o tucano Aécio era o predileto da direita, dos banqueiros, mas com a morte de Eduardo Campos e a subida de Marina Silva, a candidata da Rede-PSB passa a ser a aposta principal da oposição. A seguir, a candidatura de Marina, por ter se revelado inconsistente, é relegada a segundo plano e Aécio de novo volta a ser o preferido das forças conservadoras. Dilma empreendeu um corajoso debate programático com seus adversários, defendeu as conquistas de seu governo usando como arma a verdade contra a mentira e apresentou um elenco de compromissos de novas conquistas econômicas, sociais e políticas ainda mais arrojadas para o futuro. O resultado do primeiro turno revela que a presidenta tem no povo, nos trabalhadores, sobretudo nos pobres, a base social de apoio de sua campanha; enquanto Aécio Neves é o candidato dos ricos e das camadas altas da chamada classe média. Queira sim, queira não, temos o confronto do povo contra os endinheirados do país. O segundo turno, que já começou, é a disputa bem clara entre dois campos políticos, liderados pelas duas legendas mais estruturadas do país, o PT e seus aliados da esquerda e do campo democrático; e o PSDB, como líder das forças conservadoras, de direita. Dilma Rousseff, ao liderar de ponta a ponta o primeiro turno, como já assinalado, construiu o caminho que poderá levá-la à vitória em 26 de outubro próximo. Mas, não nos iludamos, a vitória virá no curso de um dos mais acirrados combates da história política do país. São Paulo, 6 de outubro de 2014 Renato Rabelo é presidente do Partido Comunista do Brasil - PCdoB

Desenvolvido por Porttal Webdesign

Topo